Este país não existe. Nem aqui.

by jfc

Como se vê por aí nas paragens dos autocarros, o Expresso pediu a algumas figuras para escreverem a continuação de Os Maias. Mais uma maluqueira para promover as vendas, dir-se-á. E há gente para tudo, acrescentar-se-á.

Não é que seja transcendente fazer o pastiche do estilo queirosiano. O difícil é dar-lhe substância, carnadura (veja-se o exemplo do post anterior).

Sobretudo, o que irrita é o topete dos escribas. Por mim, não tenho dormido de ansiedade, à espera de ler, já não digo a peixotada que aí vem, ou mesmo a versão avenidas-novas, ou até a variante luso-étnico, todas anunciadas, mas sobretudo anseio pela interpretação espumante de Clara Ferreira Alves, essa discípula dilecta de Eça de Queiroz e do dr. Balsemão, que disputa com Júlia Pinheiro e Judite de Sousa o lugar da mais fina e sagaz observadora das sociedades portuguesa e estrangeiras.

Segundo o próprio contou, David Mourão-Ferreira terá encontrado um dia António José Saraiva no Rossio, iam os anos 70 a meio. A conversa sobre o ambiente político terá levado AJS a exclamar: «Este país não existe!». E terá acrescentado terminantemente: «Nem aqui».

Anúncios